Contribuições da Neurociência na escolha da profissão

Para evitar que a porcentagem cresça na escolha da profissão, podemos lançar mão de técnicas científicas dentro da Neurociência que auxiliam na descoberta de talentos e no reforço de competências dos adolescentes – de preferência na faixa etária entre 13 a 17 anos, antes de concluírem o ensino médio.

Dra. Cássia Oliveira é a primeira pesquisadora em Neurociência, em Goiás, a aplicar a técnica Neurometria Funcional (Divulgação)

Uma das contribuições da Neurociência para o autoconhecimento e na escolha da profissão é oferecer ao indivíduo alta tecnologia e procedimentos neurométricos, reconhecidos mundialmente que focalizam a interação entre o cérebro, mente, corpo e comportamento, com o reconhecimento dos impactos emocionais e sociais e suas reais consequências. Este método inovador resulta em avaliações funcionais do sistema nervoso, cognitivo e neurofisiológico, promovendo o aumento da autoconsciência e da autogestão.

Através da Análise Funcional do Sistema Nervoso com o objetivo da Orientação Vocacional, podemos citar algumas contribuições para os adolescentes.

O entendimento sobre as regiões do cérebro e suas funções, que possibilitará o adolescente compreender o porquê de seus comportamentos e escolhas e como mobilizar as capacidades do cérebro para um objetivo específico.

– Promover ao adolescente uma maior compreensão de dos seus estados de foco, atenção ou desatenção, capacidade de organização, calma, irritação, sonolência, impulsividade, etc. através da análise das ondas cerebrais, onde o sistema capta a frequência e velocidade dos sinais neurofisiológicos através de sensores, transmitindo a frequência e ativação dos pulsos nervosos e as áreas do comportamento correspondente.

– Como também o reconhecimento e a compreensão da conexão direta do sistema nervoso e o sistema endócrino nos resultados da avaliação funcional, possibilitando ao adolescente e aos pais um conhecimento dos impactos destas conexões na sua saúde física e mental, como:

-As consequências do excesso de secreção dos hormônios do estresse e suas consequências diretas nos transtornos de ansiedade;

– Baixa qualidade do sono, cansaço e desânimo,

– Deficiência fisiológica na memória, concentração e raciocínio;

Baixa imunidade, dificuldade de leitura e interpretação, tensão nervosa.   Transtornos respiratórios e deficiência no transporte de oxigênio levando ao desgaste mental e/ ou disfunções.

-Disfunção neurofisiológica como exaustão, tensão nervosa;

Dessa forma, a Neurociência possibilita, de fato, que o adolescente acesse o autoconhecimento de uma forma abrangente e dinâmica, promovendo uma potencialização nas suas habilidades pessoais e profissionais. Ou seja, ele será capaz conhecer a si próprio para fazer as escolhas mais adequadas para seu futuro, ou seja, por meio da consciência dos estados interiores e a gestão desses estados, é que o adolescente pode adquirir competências para o gerenciamento das emoções, motivação para atingir metas, adaptabilidade, capacidade de ação e decisão. Todas essas habilidades são essenciais para atingir o autodomínio, algo tão essencial para os jovens nos dias de hoje.

Esse fluxo de autodomínio e motivação no sistema nervoso significam a conquista de um estado de harmonia cerebral no qual diferentes áreas do cérebro ficam sincronizadas, e entram em uma condição de eficiência cognitiva máxima, permitindo que o jovem descubra e utilize seus talentos em níveis máximos, seja em qualquer profissão que ele escolha atuar.

Dra. Cássia Oliveira é professora e Doutora em Neurociência, especialista em Psicodiagnóstico Rorscharch e outras técnicas projetivas, especialista em Psicologia Jurídica e do Trânsito, psicoterapeuta, Escritora e Membro da UBE-SP e GO.

Leave a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *