Inflação de Goiânia registra recuo em agosto, segundo Instituto Mauro Borges

A redução do índice inflacionário em Goiânia foi influenciada pela desaceleração dos preços de alguns produtos

Depois de 11 meses seguidos de constantes altas, a inflação de Goiânia, referente ao mês de agosto, registrou recuo e ficou em 0,25%, na comparação com julho, quando a taxa ficou em 1,43%. No acumulado do ano o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) chega a 7,41% e em 12 meses a 12,55%. Os dados são do Instituto Mauro Borges de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (IMB), da Secretaria de Gestão e Planejamento (Segplan).

Em agosto, a redução do índice inflacionário em Goiânia foi influenciada pela desaceleração dos preços de alguns produtos alimentícios e dos custos com habitação (-0,88%) e vestuário (-0,26%).

O preço do feijão carioca que estava em alta, desde o início do ano, caiu 6,96% no mês passado, bem como o leite longa vida (-1,17%), alguns cortes da carne bovina (lagarto) -4,56%, o óleo de soja, – 1,60%, e tubérculos e verduras: repolho – 17,78%, alface – 4,32%, batata inglesa – 8%, cebola – 11,19%. Contudo, na alimentação fora de domicílio, ocorreu reajuste no preço do almoço a quilo (4,62%) e do suco de laranja (2,05%).

Segundo o gerente de Pesquisas Sistemáticas e Especiais da Segplan, economista Marcelo Eurico de Sousa, o recuo da inflação no mês passado, embora ainda com índice positivo, está associado não apenas ao aumento da oferta de vários produtos, mas também a menor demanda provocada por aumentos sucessivos de preços ocorridos, este ano, com forte comprometimento da renda das famílias. “Aumentar os preços de produtos e serviços num momento em que a renda das famílias não cresce e em muitos casos diminui, em razão da crescente taxa de desemprego, não é o melhor negócio para o momento”, aconselha.

Energia

No mês passado, dos nove grupos que compõe o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) de Goiânia, sete apresentaram variação positiva e outros dois, taxa negativa. A redução da alíquota do PIS/Cofins influenciou a diminuição do custo da tarifa de energia elétrica em -4,54%, ajudando a desacelerar o índice inflacionário. O recuo do grupo vestuário foi puxado pela queda de -5,36% no preço da blusa feminina e de -2,60% na camiseta masculina.

Segundo Marcelo Eurico, o IPC do mês passado, embora tenha sido o menor dos últimos meses, foi fortemente influenciado pelos grupos de alimentação e saúde e cuidados pessoais. Os preços dos medicamentos registraram alta de 2,21% e de exame de laboratório de 3,24%. Os preços do desodorante subiram, em média, 3,40% e o papel higiênico em 1,89%.

Embora a colheita da cana-de-açúcar esteja em ritmo acelerado no Centro-Oeste, o preço do etanol subiu 2,26% em agosto e da gasolina em 1,05%, que aliado a alta de 6,23% nos preços das passagens de ônibus interestadual e de 4,76% no intermunicipal, pesaram em 0,53% o grupo de transportes.

No grupo educação houve reajuste nos preços do curso de informática (6,46%), no de despesas pessoais, o corte de cabelo masculino subiu 9,37%. O grupo comunicação que estava em baixa nos últimos meses, sofreu impacto de 0,18% em agosto, puxado pelo preço do serviço de telefonia celular pós-pago que ficou 2,13% mais caro. No grupo de artigos residenciais verificaram-se reajustes nos preços dos serviços de manutenção de aparelhos domésticos (2,08%), colchão de solteiro (4,77%), rack para TV e som (7,89%) e de fronha para travesseiro (9,01%).

Via O Hoje

Leave a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *