Redução dos incentivos é criticada por empresários

Era esperado: lideranças do setor empresarial goiano já criticam a medida no novo pacote de ajuste fiscal que pretende reduzir os incentivos fiscais. A proposta do governo, antecipada na semana passada, é reduzir os benefícios de 10% a 15%. O governador Marconi Perillo (PSDB) disse ontem para os deputados da sua base na Assembleia que vai criar um fundo para novos investimentos públicos.

O fundo chegou a vigorar no início deste ano, mas o governo recuou por pressão do setor empresarial. Lideranças da Fieg e da Adial afirmam que esta medida sequer foi cogitada no acordo com o presidente Michel Temer (PMDB), que aumentará a carga tributária e criará insegurança jurídica para novos investimentos em Goiás. Afirmam também que as grandes empresas já colaboram com a antecipação do ICMS e geração de empregos. A redução dos incentivos fiscais em até 15% já foi adotada por nove Estados: Tocantins, Pernambuco, Ceará, Rio de Janeiro, Alagoas, Bahia, Piauí, Paraíba e Rio Grande do Norte.

Sem caixa

O governador Marconi confirmou ontem aos deputados a informação publicada aqui domingo: vai vetar todos reajustes salariais, inclusive do Judiciário, Ministério Público e TCE. Mesmo assim a Assembleia aprovou ontem o de 11,2% para o Tribunal de Contas.

Prevê pressão

O deputado Jean Carlo (PHS) afirma que o governo tem ampla maioria na Assembleia para aprovar o pacotão fiscal: “Teremos muitos questionamentos, mas não há outra saída.”

Via O Popular 

Leave a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *