Conheça 4 indicadores financeiros para gerenciar a saúde financeira da sua indústria

Gestores industriais de diferentes segmentos utilizam uma série de medidas de resultados financeiros para avaliar o desempenho de suas indústrias durante o ano.

Normalmente, a maioria das equipes estão familiarizadas com medidas comuns como, o lucro trimestral (Q) que mostra o quanto a organização ganhou em incrementos de 3 meses, preços das ações ou ainda medidas financeiras em termos de poupança para a empresa a partir de suas operações. Por exemplo, se uma empresa siderúrgica é capaz de garantir propostas competitivas de empreiteiros de transporte, eles podem usar essa quantidade de dinheiro que tinha guardado como uma medida dos seus resultados financeiros.

Porém há uma série de medidas de resultados financeiros com impacto significativo e que normalmente não são utilizadas. Para você poder medir o desempenho da sua indústria de forma ainda mais eficaz, vou listá-las aqui. Confira:

Custo da Qualidade (COQ)

Investimentos em melhoria continua do processo e/ou do produto são considerados custos de Qualidade ou Cost of Quality (COQ). Lembrando que qualidade é diretamente proporcional a satisfação do cliente.

Quando a gerência deseja investir em melhorias, é importante que levante todos os custos associados. Custo de componentes de qualidade incluem os custos de avaliação ou inspeções, custos de prevenção, custos de falhas internas e custos de falhas externas.

Por exemplo, se uma empresa deseja melhorar e atualizar sua infra-estrutura de informação, há uma série de custos associados com isso. Os custos incluem os de:

  • 1- A contratação de profissionais de TI
  • 2- Avaliação da situação atual
  • 3- Instalação de hardware e software
  • 4- Integrando data warehouses
  • 5- Fornecimento de treinamento para os funcionários no início do projeto, bem como serviço de apoio constante.
  • 6- Preparando-se para o fracasso interno ou externo.

Uma falha externa é um custo de figura de qualidade que ocorre quando um cliente já possui um produto.

Por exemplo, uma construtora vende casas e após o cliente já ter pago pelo imóvel e, ainda dentro da garantia, o telhado da casa se rompe com a primeira chuva. Logo, é de responsabilidade da construtoras fazer os devidos reparos.

Outro exemplo: um carro com problemas na bateria e que, mesmo que já tenha passado um período de tempo, ainda esteja na garantia, refere-se a uma falha externa. Dependendo da duração da garantia oferecida por uma empresa de produtos ou serviços, uma falha externa pode ser um dispendioso para as organizações.

Logo, as empresas devem prever em seus orçamentos o custo da qualidade. Quanto mais investir em qualidade menor será o custo da má qualidade, que veremos a seguir.

Custo de Má Qualidade (COPQ)

Custo de má qualidade ou Cost of Poor Quality COPQ é o custo de defeitos em produtos ou serviços e seu impacto nas finanças de uma empresa. Quando uma organização tem uma elevada percentagem de produtos ou serviços defeituosos, que resulta em um grande custo por conta de re-trabalho, garantias, itens devolvidos e gestão de reclamações de clientes.

COPQ fornece uma figura numérica de quanto esses defeitos custam a organização.

Porém, esse indicador geralmente fica “mascarado”, pois muitas das empresas não medem ou apuram esses custos, jogando para baixo do tapete essa informação tão valiosa.

Não se engane, talvez sua empresa esteja mal financeiramente devido a sua má qualidade.

Se faça as seguintes perguntas:

  • Quantas horas de retrabalho gasto por mês na fabricação?
  • Qual foi o custo dos materiais sucateados pela fabricação (perda total)?
  • Quantas mercadorias foram entregue com defeito de fabricação?
  • Qual foi meu índice de reclamações de clientes?

Se você não consegue responder essas perguntas, você não está fazendo o “dever de casa” na apuração da saúde financeira da sua empresa.

Retorno Sobre o Investimento (ROI)

Retorno sobre o Investimento (ROI) leva em conta o custo e a renda de um projeto. O custo de um projeto é todos os fundos que são necessários para desenvolver e implementá-lo, enquanto seu lucro é a receita e dinheiro economizado.

Exemplo: Uma equipe de consultores é convidada a calcular o retorno sobre o investimento em um novo projeto de treinamento para ser implementado em toda a a organização. O novo projeto de formação irá custar R$ 2,4 milhões de dólares ao longo de um período de 1 ano e envolveria 120 funcionários. A renda do projeto, incluindo as receitas e dinheiro economizado, será de aproximadamente R$ 600.000 no mesmo período.

A fórmula para o cálculo do retorno sobre o investimento é ROI = (Receitas – Despesas) / Custo.

O ROI deste projeto é: ROI = (R$ 600.000 – $ 2,4 milhões) / $ 2,4 milhões * de 100% = – 75%. Assim, o retorno do projeto de investimento no período é de – 75%.

Valor Presente Líquido (VPL)

Valor Presente Líquido fornece uma maneira de calcular o valor presente de um investimento que vai render uma quantidade de dinheiro futuro após um determinado período. A fórmula leva em conta a taxa de juro oferecida em um investimento.

Por exemplo, a um investidor está prometido um crescimento do seu investimento atual de R$ 2 milhões ao longo de um período de 2 anos a uma taxa de juros de 5%.

Qual é o VPL do investimento atual?

P = A (1 + i) -n

Onde:

  • A = dinheiro futuro
  • I = taxa de juro
  • n = número de anos para calcular o NPV

Usando a fórmula acima, os passos são os seguintes:

P = a (1 + i) -n P = R$ 2.000.000 (1 + 0,05) -2 P = 2000000  / (1,05) 2 P = R$ 1.814.059

Assim, por este investidor para crescer o seu investimento de R$ 2 milhões ao longo de um período de 2 anos, a uma juros de 5%, ele deve investir R$ 1.814.059.

Via Nomus Blog Industrial 

Leave a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *